restaurar

O Negro De 35

César Passarinho

A negritude trazia a marca da escravidão Quem tinha a pele polianga vivia na escuridão Desgarrado e acorrentado, sem ter direto a razão Castrado de seus direitos não tinha casta nem grei Nos idos de trinta e cinco, quando o caudilho era o rei E o branco determinava, fazia e ditava a lei Apesar de racional, vivia o negro na encerra E adagas furavam palas, ensangüentando esta terra Da solidão das senzalas tiraram o negro pra guerra (Peleia, negro, peleia pela tua independência Semeia, negro, semeia teus direitos na querência) Deixar o trabalho escravo, seguir destino campeiro As promessas de igualdade aos filhos no cativeiro E buscando liberdade o negro se fez guerreiro O tempo nas suas andanças viajou nas asas do vento Fez-se a paz, voltou a confiança, renovaram pensamentos A razão venceu a lança e apagou ressentimentos Veio a lei Afonso Arinos cultivando outras verdades Trouxe a semente do amor para uma safra de igualdade Porque o amor não tem cor, sem cor é a fraternidade (Peleia, negro, peleia com as armas da inteligência Semeia, negro, semeia teus direitos na querência)

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.