restaurar

Baioque

Chico Buarque

Quando eu canto, que se cuide quem não for meu irmão O meu canto, punhalada, não conhece o perdão Quando eu rio Quando eu rio, rio seco como é seco o sertão Meu sorriso é uma fenda escavada no chão Quando eu choro Quando eu choro é uma enchente surpreendendo o verão É o inverno, de repente, inundando o sertão Quando eu amo Quando eu amo, eu devoro todo meu coração Eu odeio, eu adoro, numa mesma oração, quando eu canto Mamy, não quero seguir definhando sol a sol Me leva daqui, eu quero partir requebrando rock'n roll Nem quero saber como se dança o baião Eu quero ligar, eu quero um lugar Ao sol de Ipanema, cinema e televisão Quando eu canto, que se cuide quem não for meu irmão O meu canto, punhalada, não conhece o perdão Quando eu rio Quando eu rio, rio seco como é seco o sertão Meu sorriso é uma fenda escavada no chão Quando eu choro Quando eu choro é uma enchente surpreendendo o verão É o inverno, de repente, inundando o sertão Quando eu amo Quando eu amo, eu devoro todo meu coração Eu odeio, eu adoro, numa mesma oração, quando eu canto Mamy, não quero seguir definhando sol a sol Me leva daqui, eu quero partir requebrando rock'n roll Nem quero saber como se dança o baião Eu quero ligar, eu quero um lugar Ao sol de Ipanema, cinema e televisão

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.