restaurar

Imbalança

Gilberto Gil

Óia a paia do coqueiro Quando o vento dá, Óia o tombo da jangada Nas ondas do mar, Óia o tombo da jangada Nas ondas do mar, Óia a paia do coqueiro Quando o vento dá, Imbalança, imbalança, imbalançá Imbalança, imbalança, imbalançá Imbalança, imbalança, imbalançá Imbalança, imbalança, imbalançá Pra você agüentar meu rojão É preciso saber requebrar Ter molejo nos pés e nas mãos Ter no corpo o balanço do mar Ser que nem carrapeta no chão E virar foia seca no ar Para quando escutar meu baião Imbalança, imbalança, imbalançá Você tem que viver no sertão Pra na rede aprender a embalar, Aprender a bater no pilão, Na peneira aprender peneirar Ver relampo no mei' dos trovão Fazer cobra de fogo no ar Para quando escutar meu baião Imbalança, imbalança, imbalançá

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.