Porteira a Fora

Lisandro Amaral

Chegou linda a primavera, Cavalhada pelechando, Os cordeiros retoçando É tempo de marcação, Serviço que é tradição Nestes pagos da fronteira E a nossa gente campeira Firma a têmpera do braço Pealando de todo o laço Sobre a praia da mangueira.... Os campeiros desencilham Na sombra das caneleiras, Os ovelheiros ficam cuidando os arreios, Um guaxo pampa quer lamber as barrigueiras, Voam mutucas, pateiam pingos atados E um cardeal canta no alto das taquareiras. Nuvens de poeira se levantam céu adentro Nascem do centro do chão duro da mangueira, Costeiam vacas berrando pelos terneiros E um joão barreiro proseia co'a companheira. Tinem arames, terneirada mal costeada E a gauchada tira as botas, se arremanga; Canha e pitanga são remédios numa guampa Essência pampa, gosto de mato e de sanga. Botale fogo nessas marca Gratulino Porque o Silvino Bololó ta de a cavalo O Mano Vaz estira o laço num moerão E o Borbinha toma um trago no gargalo. O seu Pituca espeta a carne pra'o assado O Cipriano peala, capa e assinala Homens maduros sentados sobre os arreios E nesse meio o mate acompanha a fala. Dono da casa seu Venâncio arrisca um pealo, Bem de a cavalo, o Bololó livra o tirão Gritos de: -aperta, venha a marca, ta pealado, Tem ovo assado no brasedo do fogão. -Lindo pealo, gritam todos, Aperta que é do patrão! Don Venâncio simbra o laço Por sobre os calos da mão. -Pago o pealo- grita um, sovéu armado, Bem reboleado, zunindo a armada no ar. -Deixa que saia olhando pro campo aberto Que o tombo é certo quando o sovéu terminar. -Vira pr'a fica do lado! Fala um que leva a marca. -Quebra a cola seu Foroso Que o seu Juca corre a tarca! -Esse é pra touro, não capa! Ordena, firme, o patrão. -Capricha no sentá a marca, Palmo acima do garrão. Que gente buena destes pagos de mi flor... No tirador, capincho em couro sovado; No lenço atado, bandeira pampa que esvoa Quando encordoa um terneiro pra um bolcado O Luiz Baca pede cancha, armando o laço E para o braço num tiro, longe, de atrás, Pealo de mestre quando a trança se termina E o tombo é sina que a natureza desfaz. O Diamantino raça de índio pampeano Um soberano mesmo sem nada na vida; Tropeiro andejo, obediente e servidor Do corredor, fez casa, rumo e partida. Eu fui guri que aprendeu a cucharrear E derrubar na saída da porteira; Fui mandalete de alcançar marca e serrote Carneá um munício e desmancha pras cuzinheira. Fui guitarreiro e toquei gaita nos galpões E nos fogões alegrando a gauchada; Andei por tudo pealando qdo cresci "Dês que" saí dos pagos da Encruzilhada. Me fiz homen nesse tempo, De aperta, marca, assinala; É por isso que essas coisas: Renascem em nossa fala.

* A letra está errada? Por favor, envie a correção

* Essa letra é repetida ou pertence a outro artista? nos informe