restaurar

Eu Sou do Banco

Luiz Gonzaga

É que o matuto deu de garra dos papéis E foi bater no banco de juazeiro Tirou dinheiro e comprou cinco vaquinhas E para tanto contratou logo um vaqueiro. O tangedor montou logo um alazão Abriu os peitos no aboio que não tem fim Coitada da boiada encabulada Com o chocalho tocando assim Eu sou do banco, do banco do Brasil. Do banco do Nordeste, cabra da peste No Ceará eu sou do Bec Mas em Pernambuco sou do Bandepe Bandepe, Bandepe, Bandepe, Bandepe. E lá vai ele assustando a matutada Em cada casa só se ouve um zum-zum-zum Gado famoso e bonito desse tipo Só quem possui é Feitosa dos Inhamús Se alguém pergunta de quem é essa boiada Ele responde: é de seu Zé Clementino É aí que o gado emperra, o gado berra Que o vaqueiro ta mentindo. Eu sou do banco, do banco do Brasil. Do banco do Nordeste, cabra da peste No Ceará eu sou do Bec Mas em Pernambuco sou do Bandepe Bandepe, Bandepe, Bandepe, Bandepe

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.