Acesso

 

E-mail

esqueciSenha

Entrar

Login com o Facebook

Login com o Google

não tem uma conta?
cadastre-se

página iniciall

Destinos

Luiz Marenco

logo cifrasCifras de Destinos
O destino quer que eu cante
E ao cantar eu me concentro
A querência eu levo dentro
E o resto eu toco por diante

Podem me chamar de louco
Mas aprendi com os mais quebras
A não galopear nas pedras,
Nem pelear por muito pouco

A lição número um
Eu aprendi com meu pai
Quem não sabe pra onde vai,
Não vai a lugar nenhum

Nunca refuguei bolada
Se me tocam me apresento
E tenho a crina esfiapada
De galopear contra o vento

Do meu manancial de penas
Quase todas se extraviaram
Umas porque se agrandaram,
Outras por muito pequenas

Tive um antes e um depois
Quando me larguei a esmo
Decerto por isso mesmo
Os meus destinos são dois

Destinos de um índio incréu
Sobre um mesmo coração
Um que me prende no chão,
Outro me puxa pra o céu

Porém o que me arrebata
É o destino de xirú
Que em vez das pilchas de prata,
As garras de couro cru

anonimo

Reportar Letra Repetida | Corrigir? Letra enviada por anonimo em 12/15/2008

Envie sua tradução!Traduzida para Inglês por ninguém

Envie sua tradução!Traduzida para o Espanhol por ninguém

 Reportar letra repetida Corrigir letra errada

140 caracteresO que você acha dessa música?

 

 

Músicas de Luiz Marenco

buscarNão achou?

 colabore enviandoA música não está no site?

Quem ouviu este artista

de Elizabeth Você sabia?

O canto de Luiz Marenco já percorreu vários estados do Brasil, assim como na Argentina e Uruguay fazendo apresentações ao lado de Pepe Guerra e Santiago Challar (folcloristas uruguayos).

ver outras curiosidadesenvie uma

Wallpapers

Envie um Wallpaper de Luiz Marenco e ganhe pontos! Clique aqui. achar ver top wallpapers enviar um wallpaper

Enquete

Ganhe pontos!

outras enquetes

©2016 Petaxxon Comunicação Online