restaurar

Potro Sem Dono

Noel Guarany

A sede de liberdade rebenta a soga do potro Que parte em busca do pago e num galope dispara Rasgando a coxilha ao meio mordendo o vento na cara Bebe horizonte nos olhos empurra aterra pra trás Já vai bem longe a figura mostra o caminho tenaz Da humanidade sofrida que luta em busca da paz Vai potro sem dono Vai livre como eu Se a morte lhe faz negaças joga na vida com a sorte Desprezo da própria morte não se prende a preconceitos Nem mata a sede com farsas leva um destino no peito Nas seivas da madrugada vai florescendo a canção Aquece o fogo de chão enxuga o pranto de ausência Essa guitarra campeira velho clarim da querência Vai potro sem dono, livre como eu

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.