restaurar

Tipos Populares De Minha Terra

Pena Branca e Xavantinho

As almas simples da cidade onde nascí, Refrão Ofereço esta homenagem, pois jamais as esquecí. Quanta saudade das festanças de Janeiro, Da sanfona pé-de-bode, do amigo Tõe Barreiro ... Maria Luca, Madalena e Tuniquinho, Limiro, João Baianinho, Gustavinho Pescador; As Mutuquinhas e a Maria Berreira, Lembro da Rita Pereira, me tratava de Doutor; O Maroveu, garimpeiro intinerante, Que sonhava com um diamante, pra ganhar um grande amor. "Olá, Maroveu, como vai o garimpo, cê já bamburrou? Ainda não, mas eu vô pegá um diamante e comprá um tomove, E passá perto da minha namorada e fazê assim, Piripipi, Poropopó ... " Lá nos Pereiras, numa festa que se fez, Foi esta a primeira vez, que o Zé Arruda dançou; Na outra noite, voltou pra dançar de novo, E invés de ver o povo só silêncio encontrou; Desesperado, mas fingindo não ser nada, Com aquela voz gozada, na janela ele falou: "Cumpade Bastião, eu vortei aqui hoje pa dançá ota vez, mas tá tudo mundo durmindo aí, pode fica de quitim aí imbaixo das cuberta, num pricisa se incomodá e levantá nem nada não, pode ficá de quitim aí ... Cumpade Bastião, eu vortei aqui hoje pa dançá ota vez, mas cê tá tudo mundo durmindo aí, num pricisa se levantá, nem se incomodá, nem nada não, pode ficá aí de quitim imbaixo das cuberta ... Cumpade Bastião! ... " Quatrocentão, Meio Metro e Aristote, Que bebia um pipote de caninha de uma vez; Lá na corrida, João Bodé era famoso, Por ser muito caprichoso ao falar o português, Em um comício de campanha pra Prefeito, Mais ou menos desse jeito, um discurso ele fez: "Amigos que estudam a Sintaxe, Didática, Metódica e Prática; O Paroxítono eleva a Gramática, Principalmente na Tesidogmática, Porque prevalece a boa Pregmática. Observemos a inflorescência do vergel universal: Obliguliflóreo, Dicotiledônea, Cluvaginácio, Rodiculácea, Qualquer elitroxilácea provoca a melifluidade, E o relés do Esternoclidomastódeo. " Segura o taco, óh querida Tia Rita, O fogo apaga e nós num pita, neste alegre recordar; Em minha volta ao começo ao fim do ano, Zé Calixto e Tião Caetano, vão comigo passear, Naquela casa, tão modesta e pequenina, Onde a Dona Brazilina, certamente irá falar ... "- Bom dia, Dona Brazilina! - Bom dia, cê pode fazê isso cumigo não, Gerson, Fica me remedano na rádio, dexa esse tem pá lá sô ... Oia, sempe que cê vié em Comandel, dá pulim qui em casa, Cê sabe, a casa é pobe, mas um cafezim, graça a Deus, tem pocê. - Ah, eu virei sim, mas e o seu amor, ele não vai ficar com ciumes? - Ah, vai tombano sô, trém bobo, num gosto disso não, Contá tudo pa tuliça. " Joana Padeira, o Chapu e o Antero, Quanto bem que eu lhes quero, não esqueço de ninguém; E terminando esta simples homenagem, Vou contar uma passagem, de outro ser que quero bem; Um certo dia, quando voltava da escola, Eu ouví o velho Lola, conversando com alguém ... "Foi lá na casa do Perique ... Tava lá o Lola, encostado na parede, quando passou uma senhorita, e falou: - Olá Lola, você está bom? - Ah ... eu tô e ocê? - Você está contente hoje, não? - Ah ... eu tô e ocê? - Óh, mas que elegância, tá de calça nova, em ! ... - Ah ... eu tô e ocê, tá boa?" Quanta saudade das festanças de Janeiro, Da sanfona pé-de-bode, do amigo

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.