restaurar

Triste Berrante

Pena Branca e Xavantinho

Já vai bem longe este tempo, bem sei Tão longe que até penso que eu sonhei Que lindo quando a gente ouvia distante O som daquele triste berrante E um boiadeiro a gritar, êia! E eu ficava ali na beira da estrada Vendo caminhar a boiada até o último boi passar Ali passava boi, passava boiada Tinha uma palmeira na beira da estrada Onde foi cravado muito coração Mas sempre foi assim e sempre será O novo vem e o velho tem que parar O progresso cobriu a poeira da estrada E esse tudo que é o meu nada Eu hoje tenho que acatar e chorar E mesmo tendo gente e carro passando Meus olhos estão enxergando uma boiada passar Ali passava boi, passava boiada Tinha uma palmeira na beira da estrada

comentário Deixe seu comentário

Máximo de 140 caracteres

 

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.