restaurar

Pobreza Por Pobreza

Luiz Gonzaga

Álbum: Pobreza por Pobreza

Meu sertão vai se acabando Nessa vida que o devora Pelas trilhas só se vê gente boa indo embora Mas a estrada não terá o meu pé pra castigar Meu agreste vai secando E com ele vou secar Pra que me largar no mundo se nem sei se vou chegar A virar em cruz de estrada Prefiro ser cruz por cá Ao menos o chão que é meu Meu corpo vai adubar Ao menos o chão que é meu Meu corpo vai adubar Se doente sem remédio, remediado está Nascido e criado aqui Sei o espinho aonde dá Pobreza por pobreza Sou pobre em qualquer lugar A fome é a mesma fome que vem me desesperar E a mão é sempre a mesma que vive a me explorar E a mão é sempre a mesma que vive a me explorar Se doente sem remédio, remediado está Nascido e criado aqui Sei o espinho onde dá Pobreza por pobreza Sou pobre em qualquer lugar A fome é a mesma fome que vem me desesperar E a mão é sempre a mesma que vive a me explorar E a mão é sempre a mesma que vive a me explorar E a mão é sempre a mesma que vive a me explorar

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.