restaurar

Maldição

Ana Moura

Que destino, ou maldição Manda em nós, meu coração? Um do outro assim perdido, Somos dois gritos calados, Dois fados desencontrados, Dois amantes desunidos. Por ti sofro e vou morrendo, Não te encontro, nem te entendo, Amo e odeio sem razão: Coração... quando te cansas Das nossas mortas esperanças, Quando paras, coração? Nesta luta, esta agonia, Canto e choro de alegria, Sou feliz e desgraçada. Que sina a tua, meu peito, Que nunca estás satisfeito, Que dás tudo... e não tens nada. Na gelada solidão, Que tu me dás coração, Não há vida nem há morte: É lucidez, desatino, De ler no próprio destino Sem poder mudar-lhe a sorte...

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.