restaurar

Fita Prateada

João Afonso

Não sei por vezes onde estou Pela estrada vamos com vagar Em dia claro ou sombrio noite estrelada.... ou não calor frio ou chuva de verão a caminho de algum lugar os bosques soltam na aragem um cheiro doce, a febre da viagem Não sei por vezes onde vou entre a partida e a chegada morre o poente na janela e na demora da jornada corre longe a fita prateada e não saber o que nos espera mágico instante que apetece em horas sonolentas, conversar Não sei por vezes onde estou Pela estrada vamos com vagar Está na hora da partida para uma lenta vertigem A estrada é para nós É de abalar

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.