restaurar

Destinos

Luiz Marenco

Compositor:Jayme Caetano Braun

O destino quer que eu cante E ao cantar eu me concentro A querência eu levo dentro E o resto eu toco por diante Podem me chamar de louco Mas aprendi com os mais quebras A não galopear nas pedras, Nem pelear por muito pouco A lição número um Eu aprendi com meu pai Quem não sabe pra onde vai, Não vai a lugar nenhum Nunca refuguei bolada Se me tocam me apresento E tenho a crina esfiapada De galopear contra o vento Do meu manancial de penas Quase todas se extraviaram Umas porque se agrandaram, Outras por muito pequenas Tive um antes e um depois Quando me larguei a esmo Decerto por isso mesmo Os meus destinos são dois Destinos de um índio incréu Sobre um mesmo coração Um que me prende no chão, Outro me puxa pra o céu Porém o que me arrebata É o destino de xirú Que em vez das pilchas de prata, As garras de couro cru

comentário Deixe seu comentário

Máximo de 140 caracteres

 

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.