×

Corrigir

Salmo

Salmo
Raphel Rabello e Paulo César Pinheiro

Vida
Oh! Bela, oh! terna, oh! santa
Vida
É breve, é grande, é tanta
Vida
Ai, de quem não te canta, oh vida...

Diante da vida delirante
Ai, de quem, vacilante,
Repousa e não ousa viver...
Deve passar toda existência
Entre o medo e a ansiedade

Não quero ter calmaria
Eu quero ser tempestade
Eu quero ser ventania
Eu quero andar pela cidade
Me embriagando de poesia
Bebendo a claridade
Da luz do dia.

Diante da vida comovente
Ai de quem, tão somente,
Reclama e não ama viver...
Deve ter feito dentro d'alma
Um vasto mar de amargura

Não quero ter agonia
Eu quero sim, a locura
O fogo da fantasia
Um precipício de aventura
A vida vindo como orgia
No ofício da procura
De todo dia.

Diante do espelho dos seus olhos, ai, de quem não se vê
(Não vê seu destino)
Eu quero ver meu desatino frente a frente e poder dizer:
- Você é quem sempre me dá prazer.
Entre você e a calma eu quero ser você, ai!...

Diante do abismo do mistério, ai, de quem se esconder
(Não vai saber)
Eu quero o salto pra vertigem de mim mesmo e poder dizer:
- Eu era o caos e o caos eu quero.
Eu quero o nada, o germe, eu quero a origem de tanto querer, ai!

Diante da vida que é sublime
Ai, de quem se reprime,
Se ausenta e nem tenta viver...
Deve ficar olhando o mundo
E lamentando sozinho.

Não quero ter letargia
Eu quero ser rodamoinho
Eu quero ser travessia
Eu quero abrir o meu caminho
Ser minha própria estrela-guia
Virar um passarinho

Cantando a vida assim
Cantando além de mim
E além de além do fim.


Veja também



Mais tocadas

Ouvir Raphael Rabello Ouvir