restaurar

Minha História De Amor

Tião Carreiro e Pardinho

Foi na festa da fazenda, do seu coroné joãjoão... Que eu conheci minha Rita, formosa como um botão... Seus olhos preto me olharam, senti meu corpo a tremê... Não foi priciso mais nada, pra nois dois se compreendê... Declamado: Como eu era cantadô afamado do sertão... Logo todos me pediram a saudade do Matão... Neste eu mundo choro a dor... Por uma paixão sem fim... Declamado: Num canto a Rita chorava, fui logo saber porque... Não é por nada responde, é de orgulho de vancê... Sempre gostei de ser livre, levando a vida a cantar... Mas ali mesmo com a Rita, eu combinei me casar... Mas Deus não quis que assim fosse, não quis vê a nossa alegria... Uma semana depois, a minha Rita morria... Declamado: E no seu leito morrendo, apertando minha mão... Me pediu; cante baixinho... A saudade do Matão... Neste eu mundo choro a dor... Por uma paixão sem fim... Declamado: Não pude mais continuar... Embaçaram os olhos meus... Olhei chorando pra Rita... Ela já estava com Deus... E hoje sempre que escuto, a saudade do Matão... Parece que eu vejo a Rita, deitada no seu caixão... Toda vestida de branco, como querendo dizer... Não foi nada vou contente, orgulhosa de vancê...

comentário Deixe seu comentário

Máximo de 140 caracteres

 

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.