restaurar

Uno

Nelson Gonçalves

Sei que na comédia desta vida Muitas almas mal unidas São farrapos do destino Sei que a sua boca perfumada Em delírio desejada Sempre é onde me declino Sei que colorida em nós transita Um somente coração Que nunca desejou ser parasita Aos olhos da febril desilusão Vibra ao compasso da saudade No que está desesperado Porque tem felicidade Pois ele é o poeta apaixonado Desta canção Porém, se os nossos corações Parar de amar um dia Envolto nestas tentações Que chama hipocrisia Preferia qual covarde Que o suícidio da saudade Nos matasse de repente Por que sei que amargurado Nossa sombra do passado Era um sonho indiferente É tão divino o nosso amor Que mal conjuga a dor Pois os nossos corações Mal cabem de contentamento É um relógio de paixões Feliz e sem tormento