restaurar

Rio Brígida

Luiz Gonzaga

O Rio Brígida Nasce lá no pé da serra Na Fazenda Gameleira De seu Chico Alencar E vai descendo Vai rolando devagar Chega em Novo Exu E com licença eu vou cantar Em Novo Exu Ele chora e sai rezando Vendo gente se matando Briga de irmão com irmão Tem jeito não Que isso é coisa de cacique E vai chegando Em São João do Araripe Ah! Menino Se esse riacho falasse Quanta coisa Que ele tinha pra contar Ah! Quanta festa Quanto samba sem horário Eu e meu pai Januário Nós tocando sem parar São as lembranças Nessas água a rolar Vai cortando Monte Belo, São Raimuindo Tamarina, Barriguda, e Baraúnas E tem passagem Por Granito, que bonito Olha aí Parnamirim Terra Nova e Orocó E desatou No São Francisco esse nó }bis

comentário Deixe seu comentário

Máximo de 140 caracteres

 

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.