restaurar

Rei De Ramos

Chico Buarque

Ele disse pra escola caprichar No desfile da noite de domingo Com ginga, com fé Pediu muita cadeira a requebrar Minha boca com dente pra caramba E samba no pé De repente o pandeiro atravessou De repente a cuíca emudeceu De repente o passista tropeçou E a cabrocha gritou que o nosso rei morreu Viva o Rei de Ramos Que nós veneramos Que nós não cansamos de cantar Viva o rei dos pobres Que gastava os cobres Nas causas mais nobres do lugar Viva o rei dos prontos Que bancava os pontos Que pagava os contos do milhar Viva o Rei de Ramos Viva o Rei, viva o Rei Viva o Rei de Ramos Os seus desafetos e rivais Misericordioso, não matava Mandava matar E financiava os funerais As pobres viúvas consolava Chegava a chorar De repente gelou o carnaval De repente o subúrbio estremeceu E a manchete sangrenta do jornal Estampou garrafal que o nosso rei morreu Viva o Rei de Ramos Que nós veneramos Que nós não cansamos de cantar Viva o rei dos crentes E dos penitentes E dos delinquentes do lugar Viva o rei da morte Da lei do mais forte Do jogo, da sorte E do azar Viva o Rei de Ramos Viva o rei, viva o rei Viva o Rei de Ramos

comentário Deixe seu comentário

Máximo de 140 caracteres

 

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.