restaurar

Navio Negreiro

Abadá Capoeira

O navio ancorou no cais Trazendo tanto sofrimento Negros de Angola, negros de Guiné Ai meu Deus quanto lamento (Coro) Foi arrancado de sua família, sem saber nem o porquê O negro se perguntava o que eu fiz pra merecer Tanta dor, tanta maldade, não me deram chance de escolher Arrancaram minha liberdade, pai Oxalá onde anda você? (Coro) Acordava antes do sol, ia direto pra lida Sem água, sem pão, sem dó, aquilo não era vida A tardinha voltava do canavial, só trazia ódio e dor Ainda ia pro tronco sentir o chicote do feitor (Coro) Negro sentia saudade da África tão amada Onde ele era rei, tinha vida respeitada Caçava, corria as matas, tomava banho de rio Cultuava os orixás, não sentia fome nem frio (Coro) Um dia negro cansou de tamanha humilhação Fugiu correndo pro mato, sem rumo sem direção Assim nasceu o quilombo, o começo da vitória Construída com suor, sangue, magia e glória.

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.