restaurar

Cerco Fechado

Maumbu

Vilela Me encontro em cerco fechado, alguém deveria ter me avisado Lágrimas escorrem pelo recado, pela mensagem meu desabafo Por toda inocência perdida no passado, desapego praticado Não quero isso pra mim, a vida trata mal, então eu sigo sozinho Com vários ao meu redor, poder da intuição Espiritualmente falando, entidades em conexão É na pressão do dia a dia, o prato frio da vingança No ato eu perco a espreança, retrato da covaridia Repasso todo passado, e me acabo em melancolia Melodia da discórdia, derrota da rebeldia Eu tô na rota sola gasta, sinto peso do trabalho Estudo o necessário, jovem revoltado Aprendiz da nova era Aprediz da nova era, Vilela que tá de volta nessa porra Atordoado do baque, botando fogo em sodoma Pra evaporar toda água que lavo minha honra Levo meu sorriso, sobrou só a revolta Me sinto sozinho e a solidão me conforta Sabendo que olhares famintos habitam a toca Palmas e gritos valem a pena, se o respeito não fica contigo na volta Pra mim pouco importa, toda malícia convertida em chacota Olha o que sobra, só foi isso que você conseguiu, cultiva na sua horta REFRÃO: A chaga se espalhou como vou lidar É triste saber, difícil notar Estrutura cedeu com as marcas E o que sobrou, é meu rancor/valor (2x) Hartmann Eu nunca me perdi por grana, fama e buceta O meu caráter me faz viver e meu valor é recompensa É no suor do dia a dia, batalhamos pelo melhor Tempo voou meus amigos, se dissolveram e viraram pó, ó Pra um bem maior, rancoroso e fechado Segui sozinho nessa estrada, conturbada Entre cobras e espinhos e eu ainda era menino Aprendi com o maldade e interagi com meu extinto Mediunidade na fala, me limpa me guarda Na vida você toma altos tapas na cara A ignorância se vende, cê fica doente Não lave sua alma com águas ardentes Foi sair pra me achar, me perder pra me encontrar Minha áurea não tava afiada, então fui amolar Princípios da vida tive que buscar Já chega de errar, amigos eternos me encontrem em um bom lugar Nesse combate não perco a vontade, minha essência ainda vive, rapá Foda-se os moda, não vou mais julgar Na escuridão desse mundo eu não vou voltar xará Achei meu sentido na vida, é a poesia que me faz respirar Achei meu sentido na vida é a música que me faz respirar Da NOSTRALAJE, titiu... REFRÃO: A chaga se espalhou como vou lidar É triste saber, difícil notar Estrutura cedeu com as marcas E o que sobrou, é meu rancor/valor (2x)

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.