restaurar

Cibernética

Gilberto Gil

Compositor:Gilberto Gil

Lá na alfândega Celestino era o Humphrey Bogart Solino sempre estava lá Escrevendo: "Dai a César o que é de César" César costumava dar Me falou de cibernética Achando que eu ia me interessar Que eu já estava interessado Pelo jeito de falar Que eu já estivera estado interessado nela Cibernética Eu não sei quando será Cibernética Eu não sei quando será Mas será quando a ciência Estiver livre do poder A consciência, livre do saber E a paciência, morta de esperar Aí então tudo todo o tempo Será dado e dedicado a Deus E a César dar adeus às armas caberá Que a luta pela acumulação de bens materiais Já não será preciso continuar A luta pela acumulação de bens materiais Já não será preciso continuar Onde lia-se alfândega leia-se pândega Onde lia-se lei leia-se lá-lá-lá Cibernética Eu não sei quando será Cibernética Eu não sei quando será

Todas as informações deste site são postadas inteiramente por seus usuários e seus dados podem conter erros. O Letras exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas. Entre em contato conosco caso haja interesse em editar ou excluir alguma informação.

É proibida a reprodução das músicas encontradas em nosso site em quaisquer outros meios, sendo permitida somente a visualização das mesmas (Lei 9610/98). Todas as letras de músicas em nosso site são divulgadas apenas para fins educacionais e são propriedade de seus autores. All lyrics in our website are provided for educational purposes only and they are property and copyright of their owners.